Notícias Militares

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

FALSOS E MENTIROSOS CHAMAM DE "HERÓIS"


Porto Alegre,RS,16 de outubro de 2008.
RUI GARAVELO MACHADO


FALSOS E MENTIROSOS CHAMAM DE "HERÓIS"
QUEM TRAIU À PÁTRIA

*...os que assim falaram... não merecem fé...
Em AZUL , a seguir , um (excelente) Artigo de DORA KRAMER publicado recentemente n'O ESTADÃO .
Não há o que criticar no referido escrito , salvo , é claro , a delicadeza com que a Articulista tratou o Sr TARSO GENRO - abjeta pessoa.
Ressalvado o tratamento imerecido ( o bom tratamento , pois merecia palavras até de baixo calão ) a Articulista atingiu na mosca ao dizer o que é , em verdade , o Sr TARSO GENRO : um fazedor de nada , só promete e não realiza , fala coisas inoportunas e inverdades , enfim , é um parlapatão.

Com relação aos " heróis " que ele ( Sr TARSO ) e o Sr DIRCEU (pior que o Sr TARSO) diziam ser os baderneiros/guerrilheiros/terroristas/agitadores e outros de mesmo tipo , estou a reproduzir , a seguir , alguns Editoriais de jornais e revistas de então , com relação ao Movimento de Março de 1964 .
Só reproduzi - em cor VERMELHA - alguns , porque são das Publicações mais séria e de maior circulação à época .

Desde ontem se instalou no País a verdadeira legalidade ... Legalidade que o caudilho não quis preservar, violando-a no que de mais fundamental ela tem: a disciplina e a hierarquia militares. A legalidade está conosco e não com o caudilho aliado dos comunistas”(Editorial do Jornal do Brasil - Rio de Janeiro - 1º de Abril de 1964)

“Multidões em júbilo na Praça da Liberdade.Ovacionados o governador do estado e chefes militares.O ponto culminante das comemorações que ontem fizeram em Belo Horizonte , pela vitória do movimento pela paz e pela democracia foi, sem dúvida, a concentração popular defronte ao Palácio da Liberdade. Toda área localizada em frente à sede do governo mineiro foi totalmente tomada por enorme multidão, que ali acorreu para festejar o êxito da campanha deflagrada em Minas (...), formando uma das maiores massas humanas já vistas na cidade”(O Estado de Minas - Belo Horizonte - 2 de abril de 1964)

Salvos da comunização que celeremente se preparava, os brasileiros devem agradecer aos bravos militares que os protegeram de seus inimigos”“Este não foi um movimento partidário. Dele participaram todos os setores conscientes da vida política brasileira, pois a ninguém escapava o significado das manobras presidenciais”(O Globo - Rio de Janeiro - 2 de Abril de 1964)

“A população de Copacabana saiu às ruas, em verdadeiro carnaval, saudando as tropas do Exército. Chuvas de papéis picados caíam das janelas dos edifícios enquanto o povo dava vazão, nas ruas, ao seu contentamento”(O Dia - Rio de Janeiro - 2 de Abril de 1964)

“Escorraçado, amordaçado e acovardado, deixou o poder como imperativo de legítima vontade popular o Sr João Belchior Marques Goulart, infame líder dos comuno-carreiristas-negocistas-sindicalistas.Um dos maiores gatunos que a história brasileira já registrou., o Sr João Goulart passa outra vez à história, agora também como um dos grandes covardes que ela já conheceu”(Tribuna da Imprensa - Rio de Janeiro - 2 de Abril de 1964)

“A paz alcançadaA vitória da causa democrática abre o País a perspectiva de trabalhar em paz e de vencer as graves dificuldades atuais. Não se pode, evidentemente, aceitar que essa perspectiva seja toldada, que os ânimos sejam postos a fogo. Assim o querem as Forças Armadas, assim o quer o povo brasileiro e assim deverá ser, pelo bem do Brasil”(Editorial de O Povo - Fortaleza - 3 de Abril de 1964)

“Ressurge a Democracia !Vive a Nação dias gloriosos. Porque souberam unir-se todos os patriotas, independentemente das vinculações políticas simpáticas ou opinião sobre problemas isolados, para salvar o que é de essencial: a democracia, a lei e a ordem.Graças à decisão e ao heroísmo das Forças Armadas que, obedientes a seus chefes, demonstraram a falta de visão dos que tentavam destruir a hierarquia e a disciplina, o Brasil livrou-se do governo irresponsável, que insistia em arrastá-lo para rumos contrários à sua vocação e tradições”“Como dizíamos, no editorial de anteontem, a legalidade não poderia ter a garantia da subversão, a ancora dos agitadores, o anteparo da desordem. Em nome da legalidade não seria legítimo admitir o assassínio das instituições, como se vinha fazendo, diante da Nação horrorizada ...”(O Globo - Rio de Janeiro - 4 de Abril de 1964)

“Milhares de pessoas compareceram, ontem, às solenidades que marcaram a posse do marechal Humberto Castelo Branco na Presidência da República ...O ato de posse do presidente Castelo Branco revestiu-se do mais alto sentido democrático, tal o apoio que obteve”(Correio Braziliense - Brasília - 16 de Abril de 1964)

“Vibrante manifestação sem precedentes na história de Santa Maria para homenagear as Forças Armadas”“Cinquenta mil pessoas na Marcha Cívica do Agradecimento”(A Razão - Santa Maria - RS - 17 de Abril de 1964)

“Vive o País, há nove anos, um desses períodos férteis em programas e inspirações, graças à transposição do desejo para a vontade de crescer e afirmar-se.Negue-se tudo a essa revolução brasileira, menos que ela não moveu o País, com o apoio de todas as classes representativas, numa direção que já a destaca entre as nações com parcela maior de responsabilidades”.(Editorial do Jornal do Brasil - Rio de Janeiro - 31 de Março de 1973)

“Sabíamos, todos que estávamos na lista negra dos apátridas - que se eles consumassem os seus planos, seríamos mortos. Sobre os democratas brasileiros não pairava a mais leve esperança, se vencidos. Uma razzia de sangue vermelha como eles, atravessaria o Brasil de ponta a ponta, liquidando os últimos soldados da democracia, os últimos paisanos da liberdade”O Cruzeiro Extra - 10 de Abril de 1964 - Edição Histórica da Revolução - “Saber ganhar” - David Nasser

“Golpe? É crime só punível pela deposição pura e simples do Presidente. Atentar contra a Federação é crime de lesa-pátria.. Aqui acusamos o Sr. João Goulart de crime de lesa-pátria. Jogou-nos na luta fratricida, desordem social e corrupção generalizada”. Jornal do Brasil, edição de 01 de abril de 1964."Participamos da Revolução de 1964 identificados com os anseios nacionais de preservação das instituições democráticas, ameaçadas pela radicalização ideológica, greves, desordem social e corrupção generalizada". Editorial do jornalista Roberto Marinho, publicado no jornal "O Globo", edição de 07 de outubro de 1984, sob o título: "Julgamento da Revolução". 31/03/64 – FOLHA DA TARDE – (Do editorial, A GRANDE AMEAÇA)"... cuja subversão além de bloquear os dispositivos de segurança de todo o hemisfério , lançaria nas garras do totalitarismo vermelho, a maior população latina do mundo ..."31/03/64 – CORREIO DA MANHÃ – (Do editorial, BASTA!): "O Brasil já sofreu demasiado com o governo atual. Agora, basta!"31/02/64 – JORNAL DO BRASIL – "Quem quisesse preparar um Brasil nitidamente comunista não agiria de maneira tão fulminante quanto a do Sr. João Goulart a partir do comício de 13 de março..."

Por aí se verifica que A SOCIEDADE estava cansada das coisas do Governo do Sr GOULART e seus apaniguados.
Os Militares lideraram um Movimento que tinha o aplauso e se constituía no desejo da Sociedade Civil Organizada e só aos comunistas não interessava.

Agora , tipos desprezíveis e falsos como o Sr TARSO GENRO , JOSÉ DIRCEU , NILMÁRIO MIRANDA , VANUCCHI e tantos outros de igual falta de honestidade intelectual , dizem que são " heróis " os agitadores/baderneiros/terroristas/guerrilheiros .

Pobre País.

RUI GARAVELO MACHADO

Atenciosamente
RUI GARAVELO MACHADO
Amigos para sempre e um pouco mais

3 comentários:

Anônimo disse...

Abram o olho


" esses heróis " os agitadores/baderneiros/terroristas/guerrilheiros-

em breve estarão tentando invadir os quartéis e matando de soldado raso a general

menos o melancias, é claro!!!


OBSERVEM A MOVIMENTAÇÃO TERRORISTA EM SÃO PAULO TENTANDO PELOS MEIOS SUJOS, IMPEDIR A VITÓRIA DO KASSAB


nao acreditam?

esperem pra ver!!!!

Anônimo disse...

Lula já cogita mudar o ministério depois da eleição.

Há dez dias, disse a amigos que gostaria de abrigar no Ministério da Defesa o deputado Aldo Rebelo, do PCdoB.


A mulher que o trem matou, morreu,
Morreu pela primeira vez,
Morreu, que triste fim,
Morreu com o nariz fazendo assim:
Hum, hum hum, hum,
Hum, hum hum, hum

João Florêncio Sobrinho disse...

IMORALIDADE PÚBLICA

Os nossos administradores públicos, sempre têm enveredado por caminhos tortuosos, empurrando-nos para um futuro incerto. E, a cada eleição realizada, se concretiza mais uma fraude ao poder, com a cominação de uma malversação da confiança política.

O Poder Público precisa agir com responsabilidade. Não se trata de questões domésticas, onde se discute gostos, ambições, desejos, interesses, mas sim de questões de segurança, independência e soberania de nosso país e de nosso povo. É disto que devemos tratar e é para isto que elegemos os nossos governantes.

Nascemos num país onde sempre prevaleceu a liberdade e a democracia, e por isso sempre lutamos. É bom frisar que o Estado existe para proteger os direitos individuais de cada um, onde a meta deve ser a educação e a capacitação de todos os cidadãos, para que os mesmos trabalhem e dêem o melhor de si, para assegurar o livre desenvolvimento da vida em família, dentro dos seus respectivos lares.

Queremos um país onde o povo seja o dono do governo e não o governo dono do povo. Chega de proselitismo a respeito de doutrinas totalitárias e tirânicas, cujos adeptos são lobos disfarçados em pele de cordeiros, o que acarreta ao final, grandes prejuízos ao povo e a Nação Brasileira. ACORDA BRASIL1